sexta-feira, 6 de março de 2009

Vamos todos cirandar...



Ciranda , cirandinha, vamos todos cirandar, vamos dar a meia volta..volta e meia vamos dar!!!

Creio que todas nós , as dinossauras dos anos 60, já entoamos essa cantiga...muitas vezes, à noitinha...as mães colocavam as cadeiras a frente das casas, era para refrescar..diziam, mas isso tinha muito mais objetivos...queriam nos observar com olhos de coruja e de lince, queriam bater papo com os vizinhos, ver o luar...tudo feito sem quaisquer requíscios de medo! A violência..já existia, é claro...mas andava a léguas de distância...

Dentre as inúmeras brincadeiras , eu me recordo , com carinho das cantigas de roda..toda a turma...meninos e meninas da rua Amazonas..lá na minha querida Marilia, davam-se as mãos...gesto tão lindo e significativo!!Não havia divisão de classes, nem de cor, nem de credo...nós estávamos entrelaçados por uma alegria e amizade puras , próprias da infância...não havia televisão, e logicamente nem computador....o que sobressaia mesmo era o calor humano e a vontade de nos divertirmos, sorvendo cada segundo daqueles com sofreguidão...faces afogueadas...e depois a chamada imperiosa e terna dos pais..."Menina, entre...já está tarde...vamos, vamos..nenhum minuto a mais..para de choramingar..senão amanhã não permiteremos mais ..."

E a menina e o menino obedeciam prontamente naquele tempo, sem temerem ser chamados de "caretas"...todos iam se recolher cansados, porém contentes...e cada qual gritava de seu quarto... " a bênção...mãe... a bênção pai!" e....em seguida ouviamos com segurança....a resposta amada..."Deus o abençoe, durma bem"!

E nós dormíamos mesmo...sem calmante, sem droga alguma..porque nos sabíamos amados e amparados...

Hoje vejo com certa amargura certas mudanças...não que eu seja uma velha nostálgica e saudosista..mas é que este cenário atual onde a violência se esconde no próprio lar...onde grades vieram substituir jardins e hortas....onde a televisão e a net vieram para desfazer as mãozinhas que se davam e que giravam numa encantadora ciranda...olha..minha gente...eu sinto ,sim, uma vontade de que pelo menos um dia, o tempo voltasse..e que meus filhos e netos tivessem a oportunidade de curtir, nem que fosse por instantes, aquela sensação gostosa do amor com limites e disciplina...sem neuras..os pais só queriam acertar!

Justamente, hoje, ao dar uma aula de reforço ao meu neto, eu deparei como a infância é curta..e que se esvai como fumaça...olhando para seu rosto lindo...deparei com linhas mais duras, algumas espinhas...e não pude deixar de sentir uma saudade do tempo em que eu o carregava em meu colo, fazia-o dormir, levava passear, iamos a cinemas nos lançamentos!!Pena que muita gente, na correria do dia-a-dia , não perceba estes detalhes..o crescimento de um filho... de um neto..acha tudo muito comum, muito natural..e não é que não o seja..mas não conseguem enxergar a riqueza do crescimento...crescer, dói sim, meus queridos....mas precisamos caminhar com sabedoria e dignidade...

Depois recebi um e-mail que dizia justamente sobre o crescimento dos filhos e principalmente dos netos....´lágrimas deslizaram pelo meu rosto, porque foi tão rápido este trajeto...todos estão crescidos...ah! os netos em desenvolvimento..estão se tornando em uma mulher linda, a Yolanda...e o neto Igor..um mocinho adolescente inserido em todo o oceano proprio dessa época...tomara que ele consiga surfar com inteligencia e segurança as ondas que a vida lhe impor!

Tomara que na ciranda da vida eles não se petrifiquem...mas que suas mãos se tornem quentes, macias e firmes para um sublime engajamento com seus semelhantes...que no centro dessa roda esteja sempre Deus...que ilumina e protege a todos...por isso a importância da roda, da ciranda, da união...assim seremos mais fortes, mais felizes ....cantando..."...ciranda ,cirandinha , vamos todos cirandar...!"

2 comentários:

Luiz Antonio Caliman disse...

Olá Margaret, que texto emocionante, me fez lembrar de minha infância em Marília, quase toda descrita aqui. Éramos quase vizinhos pois morava na Av. Rio Claro. Conheci seu blog no Orkut de minha irmã Nilza.
Abs,

Anônimo disse...

Mãe ,
Que lindo texto! Também acho que deveria ser maravilhoso viver a infancia da sua epoca... O que o mundo impoe hj as crianças é tão diferente! Graças a Deus lembro da minha infancia bem tranquila, brincando sozinha no quarto, com meus brinquedos que eu amavaaaaaaaaaa, queria até ter guardado meu Fofão, minha losinha, minha ...aiiiiii só eu mesmo!! Mas é que fui tão felizzz Sem celular, sem joguinhos no computador, só eu, meus brinquedos, meus amigos imaginários,minha sobrinha Yolanda.
Acho que minha epoca ainda não sofria tanto com as mudança deste mundo!
Vi no Grupo de oração este fim de semana que é possivel ainda hj criar os filhos de uma maneira mais saudavel e com ao menos um pouco a inocencia da sua epoca e perto de Jesus desde de bebê...Vou tentar com fé em Deus e vou tbm passar tantos sentimentos que passou...Porque vc me fez uma criança felizzzzzz mãe!
Te amo
Marcella Fiorelli