sábado, 30 de agosto de 2008

Somos artistas sim...

Imagino que esta vida é um grande e luminoso palco onde contracenamos com vários artistas e, principalmente, conosco mesmos... às vezes monólogos longos tomam nosso tempo e nos fazem sentir uma solidão fria escura num cenário um tanto cinzento...e..duro é quando esquecemos a nossa fala...sorte que sempre tem o ponto, que penso ser um anjo que nos assopra o que devemos falar ou fazer numa situação difícil!
O primeiro ato é anunciado...nossa mamãe está grávida de nós... que alegria!!parece que seremos bem recebidos ...o duro é que nem sempre isso acontece, daí vira tragédia...mas agora estou fazendo um roteiro da minha história...e graças a Deus ela é feliz...mais propensa à comédia...e ao romance! Nasci gorduchinha e continuo assim...faz 61 anos! Neste primeito ato.. desponta uma infância alegre de uma menina esperta e curiosa de trancinhas com fitas coloridas...papai, mamãe, duas lindas irmãs...Neuza e Maura, mais velhas do que eu sete e seis anos respectivamente! Muitas descobertas, muitas perguntas...algumas respostas, só mais tarde eu obteria mais respostas, porem nem todas...até hoje algumas martelam meu cérebro sem acharem soluções....
Aniversários...todos festejados...apagar velinhas no colo de papai, ouvindo meus amigos cantando, abrir sofregamente os presentes dados com tanto carinho! Uma vez...nesta cena, aparece, era meu aniversário de 8 anos...ganhei três bolos... pode? Um foi mamãe quem encomendou, era em forma de um relógio grande coberto com chocolate e os ponteiros e números brancos..devia ser um glacê... o outro foi presente do time de papai, o Esportiva Cascata era uma torre linda, e era de nozes..eu bem me lembro , pois adoro nozes até hoje! O outro , lindo...lindo era uma caixa de bombons azul, e fora presente da dona Lidia da Ailiram, fábrica de doces em seu inicio, eles eram meus vizinhos, como me lembro..do Antenorzinho filho deles e da menina, Telma se não me engano, muito linda, na hora da festa eu ia de colo em colo apagando as velas dos três bolos...como ser magra assim, me digam?
Primeiro dia de aula no Sagrado...avental branquinho, e biquinho querendo chorar...queria mamãe...estava assustada, depois me acomodei e fiz amizades que ate hoje perduram...a irmã Clementina mandando me levantar pra rezar..e eu já rebelde..respondendo..rezo sentada mesmo, como se dissesse..Deus me escuta assim mesmo! Primeira Comunhão..naquele tempo faziamos novinhas, eu tinha so sete anos...mas já estava toda compenetrada pra receber Jesus, Amigo querido de todas as horas...emoção....
Segundo ato...abrem se as cortinas e eis que surjo mocinha...13 anos já no ginásio, com a mesma turma da infância..crescendo juntas...primeira menstruação, sussurros...mas muito feliz, afinal eu estava me tornando uma mulher, estava bem preparada..nao estranhei, alias me senti importante!!! e nisso meus pais e irmãs tem influência...papai festejou e eu me senti corar...ele me disse...nao fique assim, minha filha...vc esta crescendo e vai se tornar uma bela mulher!!! e vai daí comecei por as manguinhas de fora...primeiro amor, primeiro namorado...Waldomiro, surgiu em forma de príncipe..já falei que naquele tempo havia principes, princesas, fadas, sapos e bruxas...nessa ordem, não importava se nos iludíamos...se os principes caissem dos cavalos e se transformassem em sapos...havia uma aura de magia e romance que camuflava as agruras da vida..ah! estava falando do Waldomiro, eu amava de verdade, como se podia amar naquela idade e naquele contexto...primeiro beijo..na saida da missa, tremores..sensaçoes de culpa..que tolinha!!! depois fui me liberando, ainda bem...nesta cena...ainda minha primeira decepção de amor....choros, suspiros, confidências com as amigas, com o diário, naquele tempo não tinha net, orkut, msn e outras parafernálias modernas...era o telefone e o diário e as cartas...muitas...pena que se perderam com o tempo...ou eu as perdi por vontade própria...bailes...rosto colado, saia justa , a primeira..salto alto... era a mulher se vestindo para outras cenas, outras falas...
Terceiro ato....surge a Margaret que gosta de ler, escrever..faz o curso Clássico e pretende ser advogada ou jornalista...não quer se casar cedo...mas surge um personagem que a faz mudar esse rumo...é o Oswaldo segundo namorado que logo, se promove a noivo e depois leva-me ao altar, numa cena propria de fim de filme romântico...eu representei esta cena com muita convicção pois amava meu marido e pretendia ser feliz e fazê-lo feliz..só que depois em outras cenas aprendi que ser feliz independe disso e fazer alguém feliz é muito dificil, primeiro temos que cuidar de nós , de nossa personagem...
Ainda nesta cena...vejo tão claramente a minha primeira gravidez...a barriga custando a crescer..eu queria a todo o custo que ela surgisse linda, e apareceu e dentro dela, a mais bela artista desse roteiro, minha primeira filha Ileizi...como fui feliz durante os nove meses, na sala de parto e depois quando recebi aquela menina gorduchinha como eu, cabeluda..e as maozinhas mais lindas do mundo...com furinhos como de uma boneca...depois, onze meses depois, fui buscar meu filho Oswaldinho, carequinha, mas lindo...que estado de graça durante os meses de espera...cenas das mais lindas e felizes de minha vida....
Quarta cena...vai se desenrolar em outro local, não mais Marilia...agora o espaço é Primeiro de Maio...terra roxa...sem asfalto na época...mas de um povo tão bom e hospitaleiro que me acolheu com muito amor e respeito...lá aprendi muito a ser a mulher que hoje sou...cenário bucólico, lindo...meu primeiro emprego, como professora de Português e Inglês..eu tão mocinha...22 anos com dois nenês a tiracolo..e um marido sonhador!!!tão sonhador que não despertou ate agora...amigos que conquistei e que até hoje contracenam comigo...alunos maravilhosos que mais me ensinaram do que aprenderam...
Primeiras decepções como mulher...meu castelo começara a se desmoronar...então o apego aos filhos e à profissão foram o alicerce da artista pra não deixar o pano cair antes do tempo....mas...sempre busquei cumprir bem o meu script..então engravidei mais uma vez..e surge uma artistinha linda, a morena Isabelle, muito inteligente e esperta...pensei que aquela parte da peça fosse restaurar-se...mas a protagonista mulher ainda se sentia muito só e mal amada....porém...a vida continua e o teatro segue seu curso...eu ria para não chorar, perguntava ao roteiro onde fora parar aquela menina e mocinha feliz dos atos anteriores...ninguém me respondia...eu mesma tentava resgatá-la , queria ser feliz apesar de...e então mais uma barriga linda me envolve em pleno palco...e dela sai a Marcella, gordinha, olhos puxados, tão quietinha..e amorosa..nosso espaço ganha mais luz e mais esperança...
Eu crescera como protagonista escritora de minha própria história...crescera como mulher...como mãe...mas a parte mulher ainda estava cortada ao meio...era casada sem marido, ou melhor era ele um personagem que aparecia esporadicamente...mas....sempre busquei cores em outros cenários e mergulhei de corpo e alma no meu papel de mãe...ah que fase feliz ter meus quatro rebentos debaixo de minhas asas...dai vão cenas de aniversários, de natais, de páscoas, de férias..de algumas doenças..nada graves...ainda bem, da escola..dentinhos caindo, joelhos ralados...mas tanto amor, tanto que estas cenas estão gravadas com tinta de ouro em meu coração...
As cortinas se abrem para outro ato...mudança a Londrina..cidade maravilhosa que eu amo ...me recebeu de braços abertos...muita luta, muita solidão, muito abandono, porém muitos amigos, filhos maravilhosos, escola Nilo Peçanha...sim fui feliz, mesmo que lágrimas turvassem meus olhos tristes, a esperança eu não perdia, pois foi justamente neste ato que resolvi me libertar da solidão imposta...e apos a separação.....surge outro personagem importante em minha vida, o Lourenço, meu amor, um homem que soube e sabe me valorizar como mulher e como pessoa...há vinte anos somos um casal feliz e mesmo que estivemos separados por sete anos...não contamos esses anos a menos em nossas vidas, pois a distância e o tempo serviram para reafirmar tanto amor e carinho..finalmente eu descobri que não existem príncipes, existem homens que podem ter atitudes nobres, que sabem entender cada linha escrita nesta peça-vida! Tambem neste ato...surge um pacote lindo lindo, a vinda de meus netos Yolanda ..e Igor...dois personagens que continuarão minha história ..quando o Autor de minha peça resolver fechar as cortinas de vez...mas não se espantem..eu não vou partir chorando...quero seguir sorrindo e grata por ter participado da mais bela história de amor...a minha Vida!!!!!

2 comentários:

Celia disse...

num texto um resumo muito claro de uma linda história de vida,com sentimentos, verdades, conflitos,alegrias,felicidades e momentos não tão felizes assim mas vividos com muita coragem,dignidade,esperança e luta.
Adorei e a admiro cada vez mais e mais.

Ilza Helena disse...

Margaret...esse texto em forma de desabafo, me emocionou e lágrimas não faltaram, as lembranças do meu passado vieram a tona...tb tive um principe que virou sapo, mas a vida.. filhas e a gratificante profissão de professora me fez continuar com alegria, amor e ser feliz.
Sinto orgulho de ter convivido com vc